Patricia Peterle

patricia-peterleÉ professora do Departamento de Língua e Literatura Italiana da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e pesquisadora do CNPq. Mestre e Doutora em Estudos Literários Neolatinos pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). É Pós-Doutora em História pela Universidade Estadual Paulista (UNESP-Assis). Traduziu Giovanni Pascoli, Giorgio Caproni, Giorgio Agamben, Roberto Esposito, Ippolito Nievo, Enrico Testa. Publicou Itália do pós-guerra em diálogo (Comunità, 2012), História e arte: imagem e memória (Mercado de Letras, 2012), Fluxos literários (7Letras, 2013), Coleções literárias (7Letras, 2014), O homem e os animais (EDUFSC, 2014), No limite da palavra (7Letras, 2015), Arquivos Poéticos: desagregação e potencialidades do Novecento italiano (7Letras, 2015), Vozes: cinco décadas de poesia italiana (Comunità, 2017), entre outros. Pela Rafael Copetti Editor publicou A palavra esgarçada: poesia e pensamento em Giorgio Caproni (2018). Organizou, com Maria Bernardete Ramos Flores, o livro História e arte: herança, memória, patrimônio (2014); o livro Arte e pensamento: operações historiográficas (2016), com Maria Bernardete Ramos Flores e Maria de Fátima Fontes Piazza; e Resíduos do humano (2018), com Andrea Santurbano.  Em 2019, traduziu o livro de crítica literária de Enrico Testa, Heróis e figurantes; com Andrea Santurbano, Unfinished Italy: paradigmas para um novo pensamento, de Roberto Esposito; e, com Lucia Wataghin, traduziu uma seleção de poemas de Valerio Magrelli, em 66 poemas. Também colaborou com um ensaio no livro Levantar bem alto um livro! (2019), organizado por Maria Aparecida Barbosa, Meritxell Hernando Marsal e Jair Tadeu da Fonseca.